Dicas de Viagem: Maldivas

Viagem de 9 dias e 8 noites realizada entre os dias 30 de Abril e 9 de Maio de 2018, durante a Primavera no hemisfério norte.


Sobre o Destino

As Maldivas são uma nação tropical no oceano Índico ao sudoeste do Sri Lanka e India e composta por 26 atóis em forma de anel, que são compostos por mais de 1000 ilhas de corais. É conhecida por suas praias, lagoas azuis e extensos recifes. A capital, Malé, tem um mercado de peixe movimentado, restaurantes e lojas em sua principal avenida, a Majeedhee Magu. O Hukuru Miskiy do século 17 (também conhecido como Friday Mosque) é feito de coral branco esculpido.

Você pode encontrar varias dicas de turismo no portal oficial Visit Maldives.

Quando ir? A melhor época para ir às Maldivas é de Dezembro à Abril.
Fonte: Google Maps

Visto

Brasileiros não precisam de um visto de turismo para visitar as Maldivas por até 30 dias desde que você cumpra os requisitos mínimos do serviço de imigração como:

  1. possuir passaporte válido por, no mínimo, 6 meses;
  2. ter uma passagem de saída das Maldivas; 
  3. ter fundos suficientes para cobrir as despesas durante a estadia no país (100.00USD + 50.00USD/dia). Exemplo: para 7 dias você precisará de 100 + (7 x 50) = 450.00USD.
Caso o seu voo tenha trechos domésticos entre duas províncias diferentes na China é necessário tirar o visto Chinês, que é fácil e rápido de tirar (sai com 1 semana) através do Visa for China, é válido por 5 anos e custa aproximadamente 180.00USD.

Caso seu voo faça conexão no Sri Lanka é necessário tirar o visto Cingalês, que é totalmente online e pode sair tão rápido quanto 10 minutos. Tudo é feito pelo site do Sri Lanka Electronic Travel Authorization System e custa apenas 35.00USD por adulto.

Como Chegar

A passagem foi comprada pela Kiwi pegando voos da China Eastern saindo de Nagoya (Japão) ao custo de 575.00USD por pessoa (com taxas) e com duas paradas na China: uma em Shanghai e outra em Kunming. Como dito anteriormente, por causa desse voo doméstico é necessário tirar um visto Chinês.

Na noite anterior da viagem a China Eastern cancelou trechos Kunming- Male e o site da Kiwi entrou em contato oferecendo ressarcimento do valor da passagem. Como a viagem em família estava programada há algum tempo essa proposta não foi aceita e foi solicitado à Kiwi opções de trechos. A Kiwi então ofereceu uma opção passando pelo Sri Lanka (que requer visto de Brasileiros) e Tailândia (que não requer visto, como informado nos posts de Ko Phi Phi e Phuket).

Após tirar os vistos Cingaleses e informar à Kiwi sobre a liberação para voar para o Sri Lanka, a Kiwi informou que a Srilankan Airlines não confirmou o voo, impossibilitando mais uma vez chegar até as Maldivas.

Por fim a Kiwi retornou oferecendo um voo saindo de Nagoya, passando por Kagoshima, Hong Kong e Malaysia, antes de chegar à Male. O retorno passaria novamente pela Malaysia, Hong Kong e Sapporo e enfim Nagoya. Esses voos seriam operados pelas companhias JetStar Japan, Hong Kong Express Airways e AirAsia. Foi a opção escolhida e baseado nessa experiência o blog faz uma recomendação mais razoável: saindo do Japão, mesmo que o voo possa ser levemente mais caro, faça a opção de voar para Kuala Lumpur e depois pegue um voo direto para Male! A AirAsia ou AirAsiaX tem um serviço muito bom (apesar de ter que pagar por qualquer coisa à bordo) e o Kuala Lumpur International Airport - KLIA tem um estrutura incrível, inclusive hotéis de trânsito a preços módicos com café da manhã.

Onde Ficar

Antes de comentar qualquer coisa sobre reservas de hotéis nas Maldivas tem um ponto que é extremamente importante e que pode frustrar suas expectativas da viagem: o país é muçulmano e por conta disso nãé permitido vender bebida alcoólica nos estabelecimentos, nem é permitido usar biquínis nas praias. A exceção se dá para os resorts em ilhas particulares. Portanto, se você achar alguma barganha de hotel fique atento para ver se ele não se localiza em uma ilha habitada por locais, porque nesse caso as leis muçulmanas se aplicarão.

Dada a quantidade de cancelamentos e reagendamentos de voos as reservas de hotéis tiveram que acompanhar a mesma dinâmica. No final o site Booking ressarciu todas as reservas canceladas de últimas hora sem necessidade de comprovação, apenas sendo necessário abrir chamados no próprio site informando o motivo do cancelamento de última hora. Já o site Agoda pediu evidências da companhia aérea ou da agência Kiwi comprovando que os voos foram realmente cancelados de última hora. Mesmo assim não fizeram ressarcimento, deram um voucher válido por 60 dias.

O hotel de trânsito em Kuala Lumpur foi o Tune Hotel KLIA2, reservado diretamente pelo site do hotel, com a finalidade de dormir apenas uma noite. O hotel fica em frente ao terminal de passageiros do KLIA e basta atravessar a rua para chegar a ele. A tarifa ficou em 29.00USD por pessoa e o café da manhã já está incluído.

Dependendo da duração da conexão dá para pegar um trem e conhecer o centro de Kuala Lumpur. O caminho mais rápido provavelmente é usando o KLIA Express, um trem que leva você em 28 minutos do aeroporto para a estação central de trem de Kuala Lumpur (KL Sentral). Você paga aproximadamente 12.40USD por um bilhete de ida, o primeiro trem sai às 5h00am e o último trem às 12h30am. Essa opção além de ser a mais rápida também é a mais agradável, pois considerando que você estará rapidamente no centro de Kuala Lumpur sem preocupações você ainda terá uma bela vista da cidade que se aproxima. Especialmente quando você chega na Malaysia pela primeira vez, é bem emocionante quando você vê a grande metrópole aparecer. Da estação KL Sentral você pode ir de metrô, ônibus ou táxi até seu destino. Na KL Sentral existe um sistema de preço fixo para táxis: no balcão de táxi você indica para qual destino você quer ir, você paga a quantia e você recebe uma passagem de táxi. Você mostra este bilhete para o motorista de táxi e você será levado ao seu destino.

O hotel principal das Maldivas foi o Royal Island Resort & Spa, reservado pelo Booking e com diárias de 420.00USD pelo quarto por dia com serviço all inclusive. Os critérios de escolha foram hotéis que oferecessem: playground, piscina infantil, esportes aquáticos inclusos, quartos de frente para o mar, escola de mergulho e serviço all inclusive. Depois que de listar todos os hotéis que cumprissem os critérios acima então foi feita uma análise de custo x benefício.

O hotel faz parte de uma rede chamada Villa Hotels and Resorts que possui cinco resorts nas Maldivas com diferentes atividades e propósitos.

É importante ressaltar que os preços anunciados nos sites de reserva não são finais. Além do valor anunciado é necessário adicionar o preço do transfer interno desde o aeroporto/porto de Male até o aeroporto/porto da ilha que você vai se hospedar. Algumas vezes esse valor por pessoa ultrapassa 500.00USD. Além disso é cobrada uma taxa ecológica diária de 6.00USD por pessoa e no fim de tudo se deve adicionar aproximadamente 23% de taxas de serviço.

Outra coisa que vale a pena saber é que o serviço all inclusive do hotel tem restrições de horários, portanto seria mais apropriado dizer que é all inclusive limitado. O restaurante tem horário limitado para as refeições, o bar da piscina só abre às 10:00am e fecha por volta das 5:00pm, no quarto eles não servem álcool no frigobar.

O hotel é incrível, fica numa ilha de perímetro de 1.8km e em cima de um pináculo. Cheio de vida marinha ao redor, o mar azul cristalino e com águas quentes. É possível ver tubarões, arraias e uma vasta variedade de peixes coloridos sem precisar sair da ilha.

Conta com equipamentos de esportes aquáticos, mesa de bilhar, salão de jogos com tênis de mesa e pebolim, campo de futebol, clube noturno e apresentações culturais diárias em frente à piscina.

Resorts pesquisados pelo blog para 7 dias e 6 noites no serviço all inclusive para 2 adultos e 1 criança (ND significa não definido):
O terceiro hotel da viagem foi reservado pelo Booking, chama-se Newtown Inn e fica em Hulhumalé, ilha vizinha de Malé. Essa opção foi para garantir a apresentação no aeroporto de Malé no dia seguinte, pois é uma sugestão dos hotéis e resorts, já que não é garantido o horário de embarque nos aeroportos locais, por causa de mau tempo ou para garantir que todos os hóspedes embarquem no voo.

O hotel é bem simples e foi escolhido por ter transfer para o aeroporto, além de ter uma tarifa barata (40.00USD por quarto por noite + 20.00USD pelo transfer) para as opções da região. Porém não tem elevador, os lençóis estavam sujos, o quarto é muito quente e demora para o condicionador deixar o ambiente confortável e o restaurante ao lado do hotel oferece cardápio limitado.

Malé na época da viagem foi evitado por uma recomendação do Itamaraty, por causa do estado de emergência declarado no país no início do ano.


Primeiro Dia

Após várias horas de voos pousando e decolando de vários países e aeroportos você será recompensado com uma das vistas mais maravilhosas da sua vida. Ver os gradientes de azul do mar é de fazer chorar.

Após a chegada ao aeroporto de Malé e pegar as malas você precisará se apresentar no balcão de atendimento do resort para os trâmites do voo doméstico. O voo é operado pela Flyme em aviões turbo-hélices. Esse é o último momento que você toca em suas malas, depois daí elas são levadas do avião para a van, depois para a lancha e finalmente até o seu quarto no hotel. O voo dura algo como 30 minutos e será pago assim que você chegar ao hotel. O serviço de bordo oferece balas deliciosas de caramelo.

Chegando ao aeroporto de Dharavandhoo você será levado de van para um deck e de lá pegar uma lancha que o levará ate o hotel. Na lancha são oferecidas garrafas de água e o trajeto dura algo como 15 minutos.

Finalmente você chegará à aconchegante ilha de Horubadhoo, que pertence ao atol Baa e na qual o Royal Island se encontra. Chegando ao resort você será recebido por uma equipe imensa de atendentes que levarão você a uma confortável recepção onde você bebera água de coco em frente a piscina e ao mar, enquanto faz o check-in e efetua o pagamento.

Em seguida você sera levado a sua glamorosa propriedade em frente ao mar com pé na areia. A suite tem uma mini varanda, fica a 15 passos da água do mar, tem frigobar, boa conexão de internet, tv a cabo, frigobar abastecido diariamente (água, refrigerante, suco), banheira, chuveirão, condicionador de ar, cofre.

Se chegar no horário do almoço você já pode se deslocar para o gigante restaurante Maakana, de frente para o mar, com várias opções de comidas locais e internacionais, um aquário de água do mar gigante no meio do restaurante e um atendimento impecável, onde você sentará na mesma mesa em todas as refeições e será atendido pelo mesmo garçom. A mesa quanto mais perto da areia melhor!

Após o almoço aproveite o restante do dia para conhecer as instalações do hotel e curtir um pouco da praia em frente a sua propriedade.

À noite, após o jantar, eles sempre oferecem um evento para entreter os clientes. Um que é imperdível é o show com fogo na praia.

Para quem fica a partir de 6 noites eles oferecem uma pescaria no fim da tarde gratuita. Tente agendar já no primeiro dia pois é bastante concorrida.

Segundo Dia

O blog vai fazer algumas propostas aqui, mas basicamente para esse tipo de viagem a rotina é curtir a praia, a piscina, esportes aquáticos e passeios.

Após o café da manhã você pode não arrumar muita atividade, afinal de contas você acabou de começar as férias e quer mais é descansar. Portanto para o segundo dia tente curtir mais as piscinas de adultos e infantil. Chegue cedo na piscina caso queira pegar um lugar bacana de frente para a praia, perto do bar da piscina (na de adultos) ou perto da piscina de crianças.

Snorkel, pés de pato e máscaras podem ser gratuitamente pegos no centro de esportes aquáticos. Caiaques também estão incluídos no seu pacote. A ilha inteira é contornada por arrecifes que fazem criam um ambiente perfeito tanto para as crianças brincarem como para fazer SUP ou caiaque. Além dos arrecifes é ótimo para snorkel.

No fim da tarde vá fazer a pescaria e curtir o por do sol de dentro do barco.

À noite após o jantar visite a apresentação ou a balada do resort com karaoke e mesa de sinuca.

Terceiro Dia

O terceiro dia é um bom dia para ir praticar um mergulho, já que você não deve arriscar tanto e deixar para o final por causa de um eventual mau tempo e perder o mergulho por causa dos limites temporais para voos.

A operadora da ilha é a Dive Oceanus e eles vão levar você para apreciar bem de perto tubarões, arraias, corais, peixes leão, baiacus, tartarugas, moreias. Se você já é mergulhador eles pedem um refresh dive nos corais da costa da ilha antes de sair para mergulhos no barco.


No fim do dia vá apreciar o por do sol do deck oposto do resort. É fantástico!

Quarto Dia

No quarto dia você pode agendar um piquenique numa ilha inabitada só para você e sua família. Eles vão deixar vocês lá com um celular e todos os itens para o piquenique e vão marcar um horário para buscar-los. Já se imaginou sozinho numa ilha com sua família no meio do azulíssimo oceano Índico? Essa e a chance!

À tarde você pode continuar curtindo praia e piscina. Não deixe de fazer o contorno na ilha tanto a pé, como de snorkel ou de caiaque! Você vai ver muita coisa inesquecível tanto dentro como fora da água.


Após o jantar vá curtir a apresentação do Boduberu, uma dança típica Maldiva com tambores construídos especificamente para esse tipo de apresentação.

Quinto Dia

No quinto dia você pode usar novamente para fazer mergulhos e visitar outros sites que ainda não esteve. A agencia é flexível e pode levar você ao site que você quer ir, desde que você tenha a certificação adequada e o tempo permita.

Sexto Dia

Use o sexto dia para praticar esportes aquáticos além do caiaque: eles alugam SUPs (standup paddles), pranchas de windsurf e kitesurf (experiencia previa requerida) e jetski.
No fim da tarde o resort oferece um passeio de barco que leva à ilha Dhigufaru, que fica bem próxima (translado de 5 minutos) para ver a alimentação de arraias e tubarões gigantes! É de tirar o fôlego porque os animais chegam bem perto de você.

Sétimo Dia

Dia de acordar, tomar café da manhã, curtir um pouco a piscina do hotel e fazer check-out.

Uma das lanchas rápidas que levam para o aeroporto de Dharavandhoo sai por volta das 1:30pm do hotel. Você vai fazer check-in com a companhia aérea e depois voar para Hulhumalé. Chegando lá procure o balcão do seu hotel e peça para chamar a van.

Acomode-se no hotel e descanse ate o horário do voo. 


Caso queira passear e fazer compras nas redondezas há um mercado chamado Redwave muito bom bem próximo do hotel e que aceita cartão de crédito.

Ainda perto do hotel tem a Tourist Beach, na qual os locais não podem frequentar e é o único lugar nessa ilha permitido que os turistas usem roupa de banho como biquínis e sungas. Nas outras praias é proibido por causa da conduta da religião muçulmana conforme dito anteriormente, e que representa quase 100% do país.

Faça uma boa viagem!

Receba roteiros incríveis do Blog do Papito



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas de Viagem: Okinawa

Dicas de Viagem: Nagoya

Dicas de Viagem: Kansas City e Redondezas